Inhotim: as montanhas de Minas envolvidas pela arte contemporânea

Inhotim (Foto: Marcelo Coelho)
Inhotim (Foto: Marcelo Coelho)
Nem em seus sonhos mais ousados, o inglês Timothy, conhecido na região por Senhor Tim e apelidado pelos mineiros de “Nhô Tim", poderia imaginar que algum dia sua fazenda se transformaria num Museu de Arte Contemporânea a céu aberto, cercado por um Jardim Botânico que mescla paisagismo e preservação ambiental. E mais, que o nome desse lugar faria menção ao dele: Inhotim. Localizado em Brumadinho, a 60 quilômetros de Belo Horizonte, o instituto é parada obrigatória para o turista que visita a capital mineira. 

Interpretar ou definir o complexo artístico e paisagístico é uma tarefa quase impossível. Isso, porque o espaço é único. Indicado por uma revista inglesa como um dos 40 lugares mais fabulosos para se conhecer no mundo e pela publicação brasileira “Guia 4 Rodas” como uma das melhores atrações turísticas do Brasil por três anos seguidos, o instituto recebe turistas do mundo inteiro.

Logo na entrada, o visitante é surpreendido pelas mais belas paisagens naturais e também projetadas pelo homem. Foi o renomado paisagista brasileiro, Roberto Burle Marx, que assinou os primeiros ambientes do Inhotim. Mais que uma arquitetura verde, todos os espaços são feitos levando em conta a preservação ambiental em harmonia com o experimento de novas espécies da flora no contexto paisagístico.

veja mais

O acervo natural do Inhotim

A área de visitação do Inhotim conta com 97 hectares de jardins, edificações, galerias artísticas e fragmentos de mata. A lâmina d´água formada porcinco lagos ornamentais compreende uma extensão superior a 3,5 hectares. Já a mata nativa conservada no local possui uma extensão de 300 hectares. Estudos são realizados para manter os remanescentes florestais da Mata Atlântica e do Cerrado. Além disso, é catalogadoo surgimento de novas espéciesque encontram no local as condições ideais para seu desenvolvimento. Como é o caso da águia-chilena– espécie que raramente busca sobrevivência fora de sua área natural -que está entre as 159 espécies de aves encontradasno Inhotim. Outro estudo detectou ainda 32 tipos de anfíbios e 33 de répteis.


Informações gerais

Horáriode visitação e preço

3ª feira a 6ª feira: 9h30 às 16h30

Sábado / Domingo / Feriado: 9h30 às 17h30
Terça-feira (exceto feriados): entrada gratuita
Quarta e quinta-feira: R$ 20,00
Sexta, sábado e domingo: R$ 30,00
 

Transporte (BH – Inhotim)

Saída da Rodoviária de Belo Horizonte (Plataforma F2) 

De terça a sexta:  Saída às 8h15 e retorno às 16h30

Sábados, domingos e feriados: Saída às 8h15 e retorno às 17h30

 

Como chegar

Brumadinho fica a 60 km de Belo Horizonte (aproximadamente 1h15 de viagem)

Acesso pelo quilômetro 500 da BR-381 (sentido BH-SP)

Acesso pela BR-040 na altura da entrada para Retiro do Chalé (sentido BH-RJ)

O curador do Jardim Botânico, Eduardo Gonçalves, explica que normalmente algumas plantas de espécies raras que são utilizadas na construção desses ambientes ganham maior visibilidade e começam a ser aplicadas em projetos de outros paisagistas. Isso garante a permanência dessas espécies na natureza. “Fazemos experiências todos os dias com os mais diversos tipos de espécies. Nosso paisagismo muda de tempo em tempo por causa disso. Às vezes, não dá certo, mas, na maioria somos surpreendidos com a bela formação da paisagem complantas nunca usadas até então”, afirma.

Atualmente, o acervo do Jardim Botânico conta com mais de 4 mil espécies de plantas, abrigando uma das maiores coleções brasileiras de palmeiras, cerca de 1.300 exemplares, crescendo em viveiros e jardins.

Museu?

Quem entra no Inhotim esquece tudo que já aprendeu sobre a definição de um museu. Ao caminhar entre o verde dos jardins e o colorido das flores é surpreendido por lindas obras de arte. Bernado Paz, o empresário que comprou as terras de Nhô Tim para abrigar sua coleção pessoal de arte, foi despretensioso ao deixar suas peças espalhadas ao ar livre. Nem sonhava que o acervo contaria com 500 obras de artistas nacionais e internacionais. 

Nas galerias, exposições permanentes e temporárias ganham abrigo. As permanentes foram desenvolvidas especificamente para receber obras de Tunga, Cildo Meireles, Adriana Varejão, Doris Salcedo, Victor Grippo, Matthew Barney, Rivane Neuenschwander, Valeska Soares, Janet Cardiff & Gerorge Miller e Doug Aitcken. Em 2009, mais nove artistas foram contemplados com exposições permanentes: Chris Burden, Doug Aitken, Edgard de Souza, Janet Cardiff & George Bures Miller, Jorge Macchi, Matthew Barney, Rivane Neuenschwander, Valeska Soares e Yayoi Kusama.

Já as galerias temporárias possuem cerca de mil metros quadrados cada uma. Todas possuem lago, fonte, praça e contam com o mesmo tipo de arquitetura, que otimiza o espaço para a exibição de vídeo, instalação, pintura, escultura, etc. Além disso, os artistas seguem o conceito de site-specificus, que projeta as obras apropriando-se das possibilidades oferecidas pelo lugar. Único e completo, indefinível e repleto de conceitos, rico e simples, rebuscado e natural. Só mesmo indo ao Inhotim para construir significados possíveis. A liberdade de interpretação é quase proposital. O Instituto é o que ele causa em cada um. Para o estudante de artes visuais de Campinas,  Douglas Tobias, “o contato mais intenso possível com a arte contemporânea”. Para Maria Cláudia Ribeiro, “o lugar mais bonito para passear com a família entre as atrações mais próximas de Belo Horizonte”. Para todos que visitam, o desejo de voltar novamente.

Gastronomia especial

Não importa para que direção os olhos sejam guiados, haverá sempre algo bonito de se ver. Os bancos gigantescos de troncos reaproveitados parecem convidar para uma pequena pausa de admiração ou ainda para uma boa soneca após uma refeição.

E por falar em refeição, a gastronomia no Inhotim é trabalhada com o mesmo requinte presente em todo o contexto do parque. O cardápio é formado por um excelente e variado bufê de saladas, pratos lacarte, extensa carta de vinhos, além de uma mesa de sobremesas com doces diversos.

Até mesmo nos bares o visitante continua em contato com universo artístico. Em um deles estão expostas obras assinadas por designers brasileiros e o ambiente oferece ainda uma viagem no tempo com características visuais que lembram as décadas de 50 e 70. Se a parada é para um café, uma diversidade de coquetéis está à disposição na cafeteria que também oferece sanduíches, salgados e doces. E ainda há uma Omeleteria com cardápio que,além dos lanches convencionais, dispõe de omeletes e panines deliciosamente recheados. 

 

informações do local
Endereço: Rua B, 20
Telefone: 31 3571-9700
Site: http://www.inhotim.org.br
Horário de Funcionamento: 3ª a 6ª das 9h30 às 16h30, sáb., dom. e feriados das 9h30 às 17h30