Mariana – 1ª Vila de Minas Gerais

Igrejas São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo, Mariana (Foto: Edernon Marcos Pereira)
Igrejas São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo, Mariana (Foto: Edernon Marcos Pereira)
Se existe uma cidade que representa bem o pioneirismo mineiro é a simpática Mariana. Foi a primeira vila de Minas Gerais, primeira capital do Estado, sede do primeiro bispado e ainda a primeira cidade mineira a ser projetada.

Mesmo tendo sido habitada em 1696 por bandeirantes paulistas, só em 1745 foi elevada à cidade, por ordem do rei lusitano Dom João V. O nome foi escolhido pelo português em homenagem à esposa, rainha Maria Ana D´Austria. O projeto urbanístico conta com ruas em linha reta e praças retangulares. Isso ajuda o turista a se localizar com facilidade e, por não ter as ladeiras como as da cidade vizinha Ouro Preto, o passeio pelos principais pontos turísticos de Mariana pode ser feito a pé.

Uma das maneiras de chegar à cidade é por meio de uma locomotiva de ferro, a tradicional maria-fumaça. Além de embarcar num transporte centenário, totalmente preservado, o visitante pode apreciar a paisagem verde no entorno da região. O trem sai de Ouro Preto, cidade histórica localizada a 12 km de Mariana. Por serem próximas, muitas pessoas preferem fazer o passeio nas duas cidades no mesmo dia. 

Na Estação Ferroviária, existe uma espécie de parque de diversão musical. São vários instrumentos de metal para cada um fazer sua própria melodia. A arquitetura das casas ainda preserva a nuance do Brasil Colônia.

A cidade possui três praças principais, a Cívica, a Intendência e a da Matriz. Mas é na Praça da Sé que se esconde uma história interessante. Quando ela estava sendo reformada, com a ajuda de arqueólogos, ossos começaram a aparecer durante as obras, então foi tudo embargado para preservar os achados. Na verdade, ali abrigava um antigo cemitério.

Perto dali, na Catedral Basílica da Sé (ou Nossa Senhora da Assunção), está guardado um atrativo de valor cultural considerado inestimável, um raro exemplar do órgão alemão Arp Schnitger. Um instrumento antigo, construído em 1701, muito grande e cheio de tubos, ainda é tocado e encanta os ouvintes de todo o mundo.

Outras igrejas também fazem parte das atrações de Mariana, entre elas a Nossa Senhora do Rosário, São Pedro dos Clérigos, São Francisco de Assis e Santuário Nossa Senhora do Carmo. Mas há muito mais para conhecer, como a Casa da Câmara e Cadeia, o Museu da Música, o Seminário Maior São José, além de cachoeiras e grutas.

Mariana ainda foi o berço de personagens representativos da cultura brasileira. Entre eles estão o poeta e inconfidente Cláudio Manuel da Costa, o pintor sacro Manuel da Costa Ataíde e Frei Santa Rita Durão, autor do poema “Caramuru”. Tombada como Monumento Nacional em 1945, é uma excelente opção para quem aprecia arquitetura, arte, música e principalmente a história brasileira.  

 

Como chegar

De Belo Horizonte, o caminho mais prático e todo asfaltado é pela BR-040, sentido Rio de Janeiro. Depois de aproximadamente 20 quilômetros, entre no trevo sentido Ouro Preto (BR-356 – Rodovia dos Inconfidentes) e siga até Mariana.

Distância de Belo Horizonte: 110 km