Sabará: mais de 300 anos de história ao lado de BH

Sede da Prefeitura de Sabará
Sede da Prefeitura de Sabará
Uma cidade que nasceu como ponto de descanso para os bandeirantes paulistas do Brasil-Colônia, hoje atrai outros tipos de desbravadores: turistas ávidos por viajar através de mais de três séculos de história.

As primeiras expedições chegaram a Sabará por indicação dos índios. Eles contaram aos bandeirantes paulistas sobre um local que povoava o imaginário coletivo da época, o Sabaraçu, (hoje Serra da Piedade), cuja fama era de possuir, em abundância, ouro e outros metais preciosos.

A indicação correu a colônia e a movimentação de exploradores no Caminho de Sabaraçu, que ligava Sabará a Ouro Preto, deu origem aoArraial da Barra do Sabará. Começando a prosperar, o arraial chamou a atenção de Portugal e foi elevado a Vila Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará, incorporando outros arraiais vizinhos. Em 1714,  tornou-se sede da Comarca do Rio das Velhas, cujo limite ia até os estados de Goiás, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Veio a se tornar cidade em 1838.

Habitada por escravos, senhores de minas, barões, aventureiros, representantes da Coroa e indígenas no século 18, Sabará era o retrato da intensa corrida pelo ouro no Brasil. Por causa de tanta movimentação, Portugal ordenou que ali fosse instalada a Casa de Intendência e Fundição – local onde se pagava o Quinto (20% de tudo o que fosse encontrado nas minas)  e onde o ouro era transformado em barras, nas quais se colocava o timbre da Coroa). A então Vila se mostrava tão rentável para a extração aurífera que D. Pedro I a classificou como “fidelíssima”.

A origem do nome Sabarabuçu é controversa. A primeira versão dá os créditos a uma derivação do vocábulo sabaá (do tupi-guarani, enseada, curva do rio) e buçu (grande), em referência ao encontro dos rios Sabará e Rio das Velhas. Outra interpretação diz que o nome Sabarabuçu vem do tupi-guarani Itaberabuçu (montanha grande que resplandece). Já a obra “História Antiga de Minas Gerais” traz outra informação: o nome originou-se de çubará-mirim, que refere-se ao fato dos indígenas classificarem o rio Sabará como filho do rio das Velhas (çubara).

veja mais

O que conhecer em Sabará

Chafariz do Kaquende: erguido em 1757, era um antigo ponto de comercialização de escravos. A água que dele brota já é motivo de sobra para conhecer o monumento. Além de manter sua temperatura estável ao longo do ano, independentemente da estação e do clima, a lenda que a cerca reza que, se o turista dela beber, nunca mais deixará de voltar à cidade.

Igreja de Nossa Senhora do Ó: seu nome é uma referência às ladainhas de Nossa Senhora, cantadas na festa que acontece na semana que antecede o Natal. Os versos sempre começavam com o vocábulo ‘ó’, seguido de frases de louvor.

Rua Dom Pedro II: antiga rua Direita, abriga a maior concentração de monumentos históricos da cidade, com mais de 300 imóveis dos séculos 18 e 19.

Igrejas Nossa Senhora do Rosário (Igreja de Pedra): começou a ser construída pelos escravos, que eram proibidos de assistir às celebrações religiosas juntamente com o restante da população. Suas obras foram interrompidas por falta de recursos, na decadência do ciclo do Ouro.

Igreja Nossa Senhora do Carmo:única da cidade a possuir obras de Aleijadinho.

Matriz Nossa Senhora da Conceição: erguida em 1701, antes mesmo da criação da Vila. Apresenta características de três períodos da Arte Barroca.

Teatro Municipal: segundo teatro mais antigo do Brasil, em pleno funcionamento, tendo sido visitado por Dom Pedro I e Dom Pedro II.

Museu do Ouro: antiga Casa de Intendência e Fundição.

O resultado de tanta história encontra-se à disposição dos turistas. A cidade é formada por 19 conjuntos arquitetônicos e bens culturais tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), quatro deles protegidos pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), e 23 obras tombadas pelo Governo Municipal.

A ligação entre Belo Horizonte e Sabará vai muito além da proximidade geográfica. Além de contar parte do nascimento de Minas Gerais, Sabará contribuiu muito para a formação do então Curral del Rey. A linha de ferro que une as duas cidades foi criada com o intuito de fornecer alimentos e outros materiais que ainda eram escassos na recém-inaugurada capital.

 

Como chegar
Sabará está a apenas 23 km de Belo Horizonte. Seu acesso se dá a partir do anel rodoviário, sentido Vitória (ES), pela BR-262.

 

Dados demográficos:
população: 126.219 (censo 2010)
Extensão: 302 m²
Renda per capta anual: R$ 8.590,44 (dados do IBGE, 2008)
Distância de Belo Horizonte: 23 km

leia mais sobre

Curiosidades
- Sabará é considerada a Capital mineira da Jabuticaba.
- Uma das comidas típicas é o vegetal pouco conhecido ora-pro-nóbis, que dá nome a um festival da cidade.
- Uma das poucas cidades mineiras que possui as três fases do Barroco.
- O &uacut... Clique aqui para ler mais sobre.

leia mais sobre

Curiosidades
- Sabará é considerada a Capital mineira da Jabuticaba.
- Uma das comidas típicas é o vegetal pouco conhecido ora-pro-nóbis, que dá nome a um festival da cidade.
- Uma das poucas cidades mineiras que possui as três fases do Barroco.
- O último enforcamento em Sabará aconteceu no dia 13 de abril de 1858. Foram executadas Rosa e Peregrina, acusadas de assassinar sua senhora.
- O distrito de Ravena é um dos mais importantes produtores de Banana de Minas Gerais.
- Historiadores afirmam que os baianos chegaram aos sertões de Sabará, em 1555, muito antes dos paulistas. Existem afirmações de que Borba Gato, um dos primeiros bandeirantes, quando ali chegou, assistiu a uma missa em uma pequena capela já existente.