Esse queijo é bom demais, uai!

O queijo produzido em Minas Gerais é reconhecido como patrimônio cultural e imaterial do Brasil e do Estado

Queijos no Mercado Central de Belo Horizonte (Foto: Geraldo dos Santos)
Queijos no Mercado Central de Belo Horizonte (Foto: Geraldo dos Santos)
Há quem diga que o queijo de Minas não pode faltar na boa mesa mineira. Um queijo com cafezinho, queijo com goiabada [conhecido como Romeu e Julieta], o pão de queijo ou até complementando um prato requintado, já virou receita garantida em Minas Gerais. O tradicional alimento do estado não perde em nada para os mais aprimorados queijos importados. Tem o Canastra, o do Serro, o frescal, o meia-cura, o Minas do tipo padrão, o de coalho. São tantas opções que fica até difícil dizer qual é mais gostoso. Não é à toa que essa iguaria faz tanto sucesso e já virou patrimônio cultural brasileiro e imaterial de Minas Gerais.
 
Desde 2008, o modo típico de preparo dos queijos artesanais da região do Serro e da Serra da Canastra foi reconhecido como patrimônio cultural do Brasil, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
 
O título apenas comprovou o que os mineiros já sabiam. “O queijo produzido aqui é mesmo o melhor. Eu sou apaixonado por essa delícia. Não existe igual no mundo”, comenta o dono de uma loja de queijos do Mercado Central, Rodrigo Gomes de Oliveira.
 
Na loja dele, há queijos de vários tipos. Segundo o comerciante, o mais vendido é o da região da Canastra. “O mineiro gosta de queijo de todo jeito, mas o que todos mais gostam e compram aqui na loja é o tradicional da Canastra”, revela.
 
Além de fazer sucesso entre as famílias mineiras, o queijo produzido em Minas Gerais é desejado por quem não mora no estado. Rodrigo conta que já virou tradição levar na bagagem o queijinho de Minas. “Tenho vários clientes que compram aqui para levar para outros estados do Brasil. Um amigo meu abriu uma loja de vinhos em Vitória, no Espírito Santo, e levou alguns queijos daqui da loja pra vender lá. O sucesso foi tanto, que hoje ele só vende queijos mineiros”, conta.
 
De pai para filho
 
A tradição do queijo de Minas na família de Rodrigo começou com o pai dele, Seu Itamar. Ele era apenas um menino quando começou a frequentar a loja do pai, no Mercado Central. No início, em 1983, a loja do Seu Itamar vendia apenas frutas.  
 
Meses depois, Seu Itamar percebeu que o queijo era um produto muito procurado pelos fregueses. A Comercial Gomes de Oliveira, então, passou a dividir o balcão de frutas com o de queijo artesanal. Pouco tempo se passou e o proprietário percebeu que o produto tradicionalmente de Minas fazia mais sucesso que as frutas. Estava decidido: a loja passaria a vender apenas queijos.
 
Especializada em queijo artesanal, a Loja do Itamar (nome dado pelos clientes) vende mais de 10 tipos de queijos. “Quase 100% desses produtos são de Minas”, revela Rodrigo. Para ele, a opção do pai dele foi a melhor possível. “O queijo é um alimento primordial para a mesa da família mineira. Então, esse negócio não poderia dar errado”. O sucesso foi tão grande, que Seu Itamar e Rodrigo tiveram que dobrar a loja de tamanho. Entre queijos tradicionais de Minas e doce de leite, também mineiro, Rodrigo conta que tem clientes fiéis. “Nossos clientes são os mesmos. Tem gente que compra aqui há mais de 20 anos”.
 
Manter a paixão pelo queijo que começou com o pai, é o objetivo de Rodrigo, que pretende passar a herança familiar para seu filho. “Eu espero que meu filho se apaixone pelo queijo mineiro. Se depender de mim, isso vai acontecer, pois eu vou ensinar pra ele tudo que aprendi aqui na loja”, prevê.  

leia mais sobre

Entenda porque se chama queijo Canastra e queijo do Serro
 

Queijo Canastra e Queijo do Serro
Queijo Canastra e Queijo do Serro
Tanto na região da Canastra quanto na do Serro, os produtores utilizam o leite cru de vaca, produzido na própria fazenda, com a adição do “pingo” – fermento láctico natural, recolhido a partir... Clique aqui para ler mais sobre.
leia mais sobre

Entenda porque se chama queijo Canastra e queijo do Serro
 

Queijo Canastra e Queijo do Serro
Queijo Canastra e Queijo do Serro
Tanto na região da Canastra quanto na do Serro, os produtores utilizam o leite cru de vaca, produzido na própria fazenda, com a adição do “pingo” – fermento láctico natural, recolhido a partir do soro drenado do próprio queijo. A diferença entre os dois está na manipulação do leite, dos coalhos e das massas, além da prensagem e do tempo de cura.
O queijo Canastra é aquele produzido na região da Canastra, que engloba as cidades de São Roque de Minas, Medeiros, Bambuí, Vargem Bonita, Piumhi, Tapiraí e Delfinópolis. De acordo com os dados do Ministério da Agricultura, são produzidos três mil toneladas por ano desse tipo.
 
Além de ser considerado patrimônio cultural do Brasil, o queijo artesanal do tipo Canastra também recebeu do INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial – o título de indicação geográfica para as cidades produtoras. Esse título restringe a essas cidades a produção do original queijo Canastra.
 

veja mais

Queijo Minas Frescal

O queijo Minas Frescal é um dos mais populares do Brasil. É conhecido como queijo branco, queijo Minas ou simplesmente frescal. Esse tipo tem a massa mole, alto teor de umidade, com uma textura irregular, com aqueles tradicionais “buraquinhos”.

O Minas Frescal é produzido pela simples coagulação do leite com ácido láctico ou fermento. É um queijo fresco e sua durabilidade é curta. De sabor suave, combina bem com um cafezinho ou um doce de goiabada.


Queijo Minas Padrão

O Queijo Minas Padrão é um dos mais antigos do Brasil. Também conhecido como Minas curado ou Minas Prensado, é o queijo mais usado na fabricação do pão de queijo. Macio e, ao mesmo tempo, seco e firme, sua coloração interna varia de branco a creme com uma casca fina amarelada. Apresenta um sabor mais pronunciado, tendo em sua forma alguns “buraquinhos” irregulares.

Já o queijo do Serro é aquele produzido nas cidades que fazem parte da região do Serro. Além da cidade Serro, estão Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Materlândia, Paulistas, Rio Vermelho, Sabinópolis, Santo Antônio do Itambé e Serra Azul de Minas.
 
O processo de fabricação realizado há 300 anos deu também ao queijo do Serro o título de patrimônio imaterial de Minas Gerais, concedido pelo IEPHA-MG – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais –, em 2002.