Carnaval de Belo Horizonte 2019 encanta 4,3 milhões de foliões

Terça-feira, 12 Março, 2019

por: Ascom

410 blocos de rua, desfiles de oito Escolas de Samba e 11 Blocos Caricatos, mais de 65 atrações nos Palcos Oficiais e muita alegria pelas ruas

Foto: Fernanda Machado/Belotur

O período oficial do Carnaval de Belo Horizonte chegou ao fim no último domingo, 10 de março, colecionando números positivos. A festa, que se espalhou pela cidade desde o dia 16 de fevereiro, levou a sério o tema “Carnaval de Belo Horizonte: é de todo mundo!” e conseguiu reunir foliões de todos os tipos, idades e gostos musicais. Para quem gosta de avenida, tivemos desfiles de 8 escolas de samba e 11 blocos caricatos. Para os adeptos do carnaval de rua, foram 410 blocos, que fizeram 447 cortejos. Nos oito palcos oficiais, espalhados por 5 regionais da cidade, se apresentaram cerca de 65 atrações.

Tanta festa trouxe bons resultados para a cidade. Durante os 23 dias de período oficial, as ruas receberam cerca de 4,3 milhões de foliões. "Nós tivemos o maior Carnaval da história dessa cidade. E, ano que vem, provavelmente, bateremos um novo recorde, pois a gente vai aprendendo e tentando fazer a cidade dar o tom da festa. Quem define o perfil de uma cidade é a população. E cabe ao poder público apenas proteger, limpar e organizar, porque o próprio povo se encarrega do sucesso do Carnaval. Quero prometer para Belo Horizonte que nós vamos estudar e tentar minimizar os problemas que tivemos no Carnaval, e que teremos, no ano que vem, uma festa maior ainda", comentou o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil.
 
“Estamos orgulhosos dos resultados do Carnaval de Belo Horizonte, que cresceu com qualidade, com avanços em infraestrutura, segurança e limpeza. Vale ressaltar que está bem mais descentralizado, com programação para todos os tipos de público, em todas as regionais da cidade”, afirmou Gilberto Castro, presidente da Belotur.

Tudo isso só foi possível graças ao trabalho integrado da Prefeitura de Belo Horizonte, que envolveu 40 órgãos, entre municipais, estaduais, federais e privados, que garantiram infraestrutura, segurança, mobilidade, limpeza e conforto para a folia.

O Carnaval de Belo Horizonte 2019 foi viabilizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur, com patrocínio master da Skol, patrocínio da Uber e patrocínio institucional da Do Brasil Projetos e Eventos. O valor foi de R$ 4,5 milhões em verba direta, mais R$ 8.331,721,50 em planilhas de estruturas e serviços.

Pesquisa
Com o objetivo de traçar o perfil dos visitantes e moradores de Belo Horizonte que participaram do Carnaval em 2019, a Belotur realizou uma pesquisa sobre o perfil dos foliões que estiveram nas ruas durante a folia da capital. Foram levantados dados socioeconômicos, hábitos de consumo, avaliação da infraestrutura, bem como sua satisfação em relação ao evento.

De acordo com a pesquisa, a maioria dos visitantes (79,6%) e dos moradores (80,2%) avaliou que o evento superou ou atendeu plenamente suas expectativas, manifestando alta satisfação com a experiência vivida no carnaval da cidade. Entre os visitantes que declararam ter participado em edições anteriores, 68,4% afirmaram que o evento melhorou e mais de 88,4% têm a intenção de retornar em 2020.

Ainda segundo o estudo, Belo Horizonte contou com um número recorde de visitantes durante o Carnaval de 2019. Participaram da festa, durante todo o período oficial, 4,3 milhões de foliões. De 1º a 6 de março estima-se que o público foi de 4,1 milhões, sendo 80,1% moradores e 19,9% visitantes. A maioria dos visitantes veio do interior de Minas Gerais, seguido pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo e Distrito Federal. O número de turistas na cidade durante os dias de feriado foi 204 mil, o que representa um aumento de 18 % em relação a 2018.

Os visitantes participaram, em média, de 4 dias do carnaval com um gasto médio diário, per capita, de R$ 179,58, totalizando um gasto médio de R$ 718,32 durante todo o evento. Já os moradores apresentaram um gasto médio durante todos os dias do evento de R$ 294,20.

A avaliação geral do evento, em uma escala de zero a dez pontos, atingiu o valor de 8,8 pontos na opinião do turista e 8,5 pelos moradores, avaliação superior a de 2018.

Os perfis socioeconômicos do morador e do visitante se assemelham. O turista, em sua maioria, é homem (51,2%), solteiro (84,3%), tem nível superior (45,9%), idade média de 29 anos e renda familiar mensal entre 3 a 5 salários mínimos (27,3%). O morador revela a maior parte sendo mulher (55,6%), solteiro (70,4%), tem nível superior (47,0%), idade média de 33 anos e renda familiar mensal entre 3 a 5 salários mínimos (29,2%).

Outros itens avaliados:
Pelo moradores
Os banheiros disponíveis são suficientes: nota 6,5 em 2019, em 2018 foi 5,3;
Sinto-me seguro no carnaval de rua: nota 7,4 em 2019, em 2018 foi 7,1;
Os preços praticados são adequados: nota 6,8 em 2019, em 2018 foi 6,6.

Pelo visitantes
Os banheiros disponíveis são suficientes: nota 6,2 em 2019,  em 2018 foi 5,3;
Sinto-me seguro no carnaval de rua: nota 8,0 em 2019, em 2018 foi 7,7;
Os preços praticados são adequados: nota 7,1 em 2019, em 2018 foi 7,0.

Foram aplicados 1.133 questionários na pesquisa com o folião em 20 blocos de rua, no período de 1 a 6 de março. O estudo possui uma margem de erro de 4%.  A pesquisa estará disponível em breve para consulta no site: www.belohorizonte.mg.gov.br.

*Fluxo utilizado de 2018, os dados de 2019 ainda não estão disponíveis.

Hotelaria
A taxa média da ocupação foi de 66,82%, segundo ABIHMG, um aumento de 9,2% em relação a 2018 e com pico de 86,8% de ocupação no dia 3 de março.  Já comparando a diária média em 2019 (R$ 226,06) o aumento foi de 26,1% em relação ao ano anterior (R$179,27). A maioria dos turistas se hospedou em casas de amigos e parentes (69,5%), seguida de hotéis (18,6%) e casa alugada (4,2%). Em 2018 a ocupação de hotéis representou 16,2%.

Ambulantes
A PBH cadastrou 13.114 pessoas para trabalhar como ambulante no Carnaval 2019, um número 36% maior que o do ano passado, quando 9.618 foram cadastrados. Em relação ao gênero, homens representaram 52,9% dos cadastrados, enquanto as mulheres foram 45,9% do total de 2019. A faixa etária com maior representatividade entre os ambulantes foi de 30 a 59 anos, com 64,3%, seguida do intervalo de 18 a 29 anos, com 29,4%. Os trabalhadores com mais de 60 anos compõem apenas 6,3% dos cadastros.

Quanto à escolaridade, a grande maioria dos cadastrados – cerca de 5.500 – possui o ensino médio completo, enquanto quase 3.000 não completaram o ensino fundamental. Aqueles que frequentaram o ensino superior representam menos de 2.000 dos ambulantes que irão trabalhar no Carnaval 2019.

A maior parte dos trabalhadores ambulantes (59,5%) no carnaval apresentou outra ocupação, sugerindo assim a oportunidade de incremento de renda no período do carnaval. A média de expectativa de investimentos foi de R$ 1.976,00; sendo o valor máximo de R$20.000,00; e o valor mínimo de R$50,00.

Fonte: Sondagem realizada com 348 ambulantes na entrega das credenciais

Escolas de Samba e Blocos Caricatos
A Avenida Afonso Pena recebeu, nos dias 4 e 5 de março, os desfiles dos Blocos Caricatos e Escolas de Samba, respectivamente. Com o enredo “Ester Sanches – A Embaixadora da Solidariedade”, a Acadêmicos de Venda Nova foi a grande campeã do Carnaval de Belo Horizonte 2019 entre as escolas de samba. É a sexta vez que a agremiação ocupa o primeiro lugar no grupo A da folia belo-horizontina. A escola recebeu o prêmio de R$ 80 mil, além do troféu. A apuração foi realizada no fim da tarde da última quinta-feira (7), no Mercado da Lagoinha, e contou com a presença de integrantes das escolas de samba e dos blocos caricatos da capital, além da auditoria de representante da Ordem dos Advogados do Brasil.

A escola Canto da Alvorada ficou em segundo lugar, e a Cidade Jardim ocupou a terceira colocação do grupo A. As escolas foram premiadas com as quantias de R$ 40 e R$20 mil, respectivamente. No grupo B, o primeiro lugar ficou com a Raio de Sol, estreante no Carnaval que celebrou a trajetória de Diva Moreira, militante das causas da negritude. A escola novata irá subir para o grupo principal em 2020.

Já entre os blocos caricatos, o campeão do grupo A foi o Bacharéis do Samba, um dos mais antigos da capital, que foi premiado com R$ 30 mil. O bloco, que abordou alguns estilos de dança, faturou os prêmios de melhor samba, alegoria e fantasia.  

Palcos Oficiais
A Prefeitura, por meio da Belotur, montou oito palcos em diversos pontos da cidade, onde se apresentaram artistas locais e regionais. A novidade de 2019 foi a ampliação da programação infantil. O ‘Carnavalzinho’ continuou nos palcos do Parque Municipal e da Savassi, mas chegou também ao palco da avenida Brasil que, durante três dias, teve suas manhãs focadas no público infantil. Valorizando a descentralização da folia, palcos foram montados nas regionais Norte/Nordeste, Barreiro, Venda Nova e Pampulha, nessa última pela primeira vez durante o Carnaval.

Outro destaque foi o Kandandu, encontro de Blocos Afro que abriu o feriado de Carnaval da cidade, no palco da Praça da Estação. Nos dias 1º e 2 de março, se apresentaram os blocos Afoxé Bandarerê, Angola Janga, Magia Negra, Fala Tambor, Samba da Meia-Noite, Timbaleiros do Gueto, Swing Safado, Afrodum, Kizomba, Bloco Oficina Tambolelê.
No ano passado, o evento foi reconhecido pelo Ministério dos Direitos Humanos como uma das principais ações de promoção da igualdade racial do país. A homenagem foi estendida à Associação de Blocos Afro de Minas Gerais (Abafro/MG), que divide a construção e articulação do Kandandu.

Estrutura
Para garantir muita diversão, conforto e segurança para quem decidiu curtir a folia na capital mineira, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur, preparou uma grande estrutura. Foram centenas de profissionais trabalhando para viabilizar a festa, desde reuniões com representantes de blocos de rua, até a produção dos Palcos Oficiais, desfiles de Escolas de Samba e Blocos Caricatos.

Uma das maiores evoluções foi em relação aos banheiros químicos. Além da ampliação da quantidade - de 14 mil para 15 mil - a logística para a distribuição das cabines foi melhor estruturada. Somente no feriado, entre os dias 1 a 5 de março, foram 6,2 mil banheiros distribuídos em 55 pontos fixos, além de outros 3,6 mil banheiros móveis e 250 cabines PNE (para portadores de necessidades especiais) para darem suporte aos foliões.

Segurança
O Carnaval de Belo Horizonte continua surpreendendo também por conta da sua segurança. O comparativo de crimes registrados pela Guarda Municipal mostra uma queda de 3% nos furtos e 58% nos roubos, mesmo com o aumento de público. Foram registradas pela Guarda, em 2019, 318 ocorrências e 164 prisões em flagrante. O efetivo de 4463 profissionais foi utilizado, não somente na prevenção e atuação em relação a crimes, mas também na prestação de informações e apoio ao turista.

O Centro Integrado de Operações: funcionando 24 horas por dia, o COP-BH direciona seus esforços para monitorar a cidade, coordenando as ações para uma resposta integrada, ágil e resolutiva, por meio das 16 instituições representadas na Sala de Controle Integrada. Dada a importância e o tamanho do Carnaval 2019, o Centro Integrado de Operações preparou um esforço especial antes e durante o evento.
Planejamento operacional integrado e georrefenciado: o Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH) finalizou neste domingo, dia 10 de março, a operação especial para garantir o bom funcionamento da cidade durante o Carnaval.

Além do planejamento para a produção do evento realizada pela Belotur, foram preparados outros planos de emprego operacional desde outubro de 2018, coordenados pelo COP-BH e articulados com as instituições municipais e estaduais com foco na segurança, mobilidade urbana, atendimento de urgência, serviços urbanos, ordem pública e proteção social. Esse planejamento foi compartilhado com o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

Todo o planejamento foi georreferenciado em plataforma integrada que otimizou a execução e coordenação de ações preventivas e corretivas do evento.  Foi por meio dela que as instituições tiveram acesso aos pontos de concentração dos blocos, itinerário previsto, desvios de trânsito programados, pontos de dispersão dos blocos, volume previsto de público, contato com os organizadores, localização dos palcos, fechamentos e sinalizações das vias, alterações de itinerários de coletivos, endereços das Delegacias de Polícia Civil, pontos base do SAMU, localização de hospitais de referências e das Unidades de Pronto Atendimento,  visualização da câmeras de videomonitoramento, entre outros.
 
Posto de Comando 2019 e o monitoramento em tempo real: composto por representantes de instituições responsáveis pela organização e apoio operacional para a realização do Carnaval 2019, o Posto de Comando contou com 22 agências públicas de esfera municipal, estadual e federal monitorar e responder, de forma integrada, aos eventuais problemas ocorridos.

Ao todo, o Posto de Comando atendeu 228 ocorrências entre os dias 16 de fevereiro e 6 de março, sendo que 69% delas foram verificadas na região centro-sul da cidade, com destaques para os bairros Centro e Savassi.

27% das ocorrências foram do eixo de fiscalização (fiscalização de ambulantes, garrafas de vidro, caçambas, perturbação de sossego), seguidas de segurança ( danos ao patrimônio, agressões e lesões) e mobilidade urbana (obstruções de via não planejadas, estacionamento irregular, retenção de trânsito).

O Posto de Comando deste ano funcionou 61 horas a mais do que o Posto de Comando montado durante o Carnaval de 2018, que permaneceu de plantão durante 126 horas, e 116 horas a mais que o registrado em 2016.
 
Duração (horas) do Posto de Comando
2016: 71
2017: 87
2018: 126
2019: 187
 
Dias de Posto de Comando
2016: 6
2017: 8
2018: 9
2019: 13
 
Os representantes que estiveram trabalhando no Posto de Comando, monitorando em tempo real a cidade por meio de 1612 câmeras, tiveram acesso às funcionalidades que os colaboradores do COP-BH possuem, e, neste ano, contaram com duas grandes inovações.
 
Em parceria com a Belotur, o COP-BH teve acesso às imagens de dois Balões Cativos, um localizado na Praça da Estação que gerou imagens de uma altura de 90 metros com raio de alcance de 3 km, e outro localizado na Praça Tiradentes a 45 metros de altura com alcance de 1KM de raio. A escolha da localização dos balões se deu à previsão de grande concentração de público, possibilitando a visão situacional para apoio à tomada de decisão para as demandas no Posto de Comando.

Além disso, o COP-BH teve acesso às imagens aéreas geradas por drones em sobrevoos realizadas pela PMMG e Polícia Civil, que apoiaram na avaliação visual da extensão ocupada pela multidão e de impactos e possibilitou ajustes de procedimentos em campo.
 
Câmeras disponíveis
2016: 1014
2017: 1246
2018: 1612
2019: 1612
 
Equipes Volantes: criada em 2018, as equipes volantes também tiveram reforço neste ano, circulando nas ruas da cidade das 10h até as 4h manhã, coordenadas pelo Centro Integrado de Operações. Foram em média quatorze equipes por dia com dois guardas municipais, dois agentes da BHTRANS, dois fiscais e dois policiais militares, cada.
 
Número de equipes volantes (média por dia)
2018: 9
2019: 14
 
Número de equipes volantes (total)
2018: 72
2019: 154
 
Respostas às ocorrências
2018: 105
2019: 308

Operações Especiais Integradas: outro reforço deste ano foram as Operações Especiais Integradas em vias de grande concentração de público, como a rua Sapucaí, rua Alberto Cintra, Rua Pium-í, Av. Guarapari, Av. Fleming e Praça da Liberdade. Estes locais receberam planos integrados específicos para garantir mobilidade, segurança, serviços urbanos, ordem pública e proteção social.

Saúde
A rede hospitalar foi reforçada com a abertura de mais 16 leitos de retaguarda, além do aumento de profissionais de saúde que se dedicaram aos atendimentos durante o Carnaval. Foram 91 médicos, 76 enfermeiros e 222 técnicos de enfermagem. As ambulâncias do SAMU também estiveram à disposição, se posicionando próximo ao andamento dos blocos.

No Carnaval deste ano foram registrados 1.324 atendimentos, somando os 3 Postos Médicos Avançados, mais UPAs e Hospital Metropolitano Odilon Behrens. A maioria dos atendimentos foi relacionado a intoxicação, seguida por trauma.
 
Limpeza Urbana
As equipes da SLU trabalharam com um reforço em seus serviços a fim de prestar o apoio operacional necessário para que os foliões aproveitassem o Carnaval em espaços limpos e seguros. Os profissionais trabalharam durante 24 horas por dia, conforme um planejamento estratégico que contemplou a passagem de todos os blocos carnavalescos, palcos e demais programações. Somente garis, foram 1.256 trabalhadores atuando antes, durante e depois das atividades. O trabalho ainda contou com 130 catadores de material reciclável.

Em 2019 a SLU recolheu 2784 toneladas de lixo, cerca de 85% a mais do que no ano passado. Entre esse montante, o valor de material reciclado foi de 44,7 toneladas. Foram utilizados mil contêineres de para recolha de lixo por dia.

Mobilidade
A BHTrans realizou uma grande operação de trânsito e transporte na Área Central da capital e nas regionais para garantir a mobilidade dos foliões e da população durante o Carnaval. Cerca de 470 agentes da Unidade Integrada de Trânsito por dia (BHTrans, Polícia Militar e Guarda Municipal) trabalharam em parceria com diversos órgãos no Centro de Operação da Prefeitura (COP-BH).
A BHTrans disponibilizou no portal da Prefeitura - www.pbh.gov.br - um ‘Guia de Bolso’ para que os moradores e visitantes pudessem consultar os desvios e alterações no transporte público. Ampliando o atendimento aos foliões também foram criados 8 pontos de Informação presenciais em locais estratégicos na área central da cidade. Além disso, informações sobre trânsito e transporte do Carnaval 2019 foram compartilhadas no twitter @OficialBHTRANS.
 
Fiscalização
A Secretaria Municipal de Regulação Urbana realizou 3.529 ações preventivas instruindo comerciantes sobre a legislação vigente para o Carnaval. Nas ruas, 515 fiscais e agentes de campos trabalharam durante as festividades realizando 407 apreensões de garrafas de vidro e falta de credenciais no comércio de ambulantes,publicidade, veículos de lanches rápidos, caçambas, mesas e cadeiras e dispersão de blocos, número muito maior do que foi trabalhado em 2018, quando foram realizadas 552 ações.

Inovação
O eixo da Inovação foi um dos destaques do Carnaval de Belo Horizonte 2019. Para fomentar o setor e buscar soluções criativas que contribuam com o desenvolvimento do carnaval do ponto de vista da mobilidade, segurança, turismo, experiência, sustentabilidade entre outros, a Belotur publicou um o edital para o “ Laboratório de Experimentação do Carnaval 2019”. O resultado foi a seleção de 14 propostas,

Aapós a etapa de testes e experimentação, que ocorreu durante o feriado de Carnaval, os participantes deverão preparar relatórios apresentando resultados, comprovação dos testes aplicados, objetivos alcançados e proposta final, que será apresentada no evento de premiação em formato de “pitch”. As propostas premiadas — uma por eixo temático, no valor de R$10.000 cada — poderão integrar o planejamento do Carnaval de Belo Horizonte 2020.
 
Para conhecer melhor as proposta selecionadas acesse: www.carnavaldebelohorizonte.com.br/inovacao/ .
A iniciativa da Belotur já está rendendo frutos. A diretoria responsável pelo projeto foi convidada para apresentar os resultados do Laboratório de Experimentação do Carnaval 2019 no eixo cidades empreendedoras no evento Connected Smart Cities, em São Paulo, em setembro.
 
Promoção Turística
Com o objetivo de incrementar a oferta turística da cidade no Carnaval, a Belotur realizou uma ação de promoção e apoio à comercialização junto à cadeia produtiva do turismo. Hotéis e receptivos que ofereceram pacotes promocionais para o Carnaval de Belo Horizonte 2019 tiveram uma página exclusiva para suas informações no hotsite oficial da festa (www.carnavaldebelohorizonte.com.br).