Congado e Boi da Manta: tradição em Belo Horizonte

tags

Terça-feira, 8 Maio, 2018

por: Com informações do site Santa Tereza Tem

O mês de maio é marcado por manifestações populares de origem africana em Belo Horizonte

Foto: Fundação Municipal de Cultura

O mês de maio é marcado, em todo o Brasil, por festas e manifestações populares de origem africana para celebrar a data da abolição e a padroeira do povo negro, Nossa Senhora do Rosário, ambos comemorados dia 13 de maio.
No bairro Concórdia, região Nordeste de Belo Horizonte, bem próxima ao centro da cidade e ao tradicional bairro da Lagoinha, há uma concentração de congados, sendo o mais antigo a Guarda de Moçambique e Congo 13 de maio de Nossa Senhora do Rosário.
Outra manifestação cultural é o Boi da Manta, que é aquela festa em que uma pessoa fantasiada de um boi colorido corre atrás das pessoas na rua, com grande algazarra, músicas, tambores e muitas brincadeiras.
Para quem quiser conhecer um pouco mais dessas manifestações culturais, a casa de Candomblé de Angola, Nzo Jindanji Kuna Nkosi, recebe nesta quarta-feira (9/5), a visita do Boi da Manta, localizada no bairro Concórdia. Para Marcio Tata Kamus'ende, membro da Nzo Jindanji Kuna Nkosi, o Concórdia é o bairro mais negro de Belo Horizonte. “Estas manifestações são lindas, carregadas de fé, tradição e emoção”, comenta Tata. A Nzo Jindanji Kuna Nkosi fica na Rua Iguassú 261, concórdia e tem como liderança religiosa a Nengua Monasanje.
De acordo com a Rainha da Guarda de Moçambique e Congo Treze de Maio de Nossa Senhora do Rosário, Isabel Casimira, o Boi da Manta foi criado pela guarda para anunciar a festa do Rosário pelas ruas do bairro. “O Boi da Manta da Guarda de Moçambique 13 de Maio é um boi de aviso. Ele é o embaixador da festa do Rosário. Ele sai pelas ruas do bairro convidando os devotos e a comunidade a vir participar da festa do Rosário. Ele busca alimentos e dinheiro para fazer a festa. Quem não puder doar pode tão somente acompanhar o boi, que é um momento de festa e de alegria. Ele leva paz e tranquilidade. As casas que querem recebê-lo o boiadeiro para e faz uma reza, pedindo proteção para aquela casa”, explica Isabel Casimira.
A festa do Rosário realizada pela Guarda de Moçambique da família de dona Isabel tem 74 anos. “Essa festa foi fundada pela preta-velha Maria Casimira, que fez uma promessa à Virgem Maria, pedindo que os descendentes dela não passassem pelas atrocidades que os antepassados dela passaram. Que para os descendentes dela a vida fosse mais suave, que a luta fosse mais branda”, relata Isabel Casimira.
Já o Boi da Manta foi fundado 17 anos depois, com a ajuda do Capitão Edison Tomaz, e do Capitão Wilson das Chagas. “Eles entenderam que o Boi era bom para a comunidade ficar junta, porque o Boi traz dinheiro para a casa, vai buscar nas ruas. A festa não é do Boi, a festa é de Nossa Senhora do Rosário, o boi só faz o convite pra festa, ele é o embaixador da festa, ele trabalha para Nossa Senhora”, explica e reitera a rainha conga Isabel Casimira.
A festa do Congado será dias 11, 12 e 13 de maio na sede da Guarda de Moçambique no bairro Concórdia. “Sabemos que foi uma abolição fictícia. Mas os nossos ancestrais que passaram por aquela abolição, naquele momento, não sabiam que era fictício. Eles ficaram felizes, acreditaram que aquilo era para valer, aquele dia foi um dia de alegria. Então reverenciamos a memória e a fé deles, a esperança, a confiança, de que o Altíssimo vai mandar uma mão para nos ajudar, que não andamos sozinhos não, estamos sempre acompanhados da Força Divina!”, conclui a rainha conga Isabel Casimira.